2010


[NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAP – FID]

IDENTIFICAÇÃO:
Instituição: FID– Faculdades Integradas de Diamantino – MT
Endereço: Rua Almirante Batista das Neves, nº 1211, Centro, Diamantino – MT;
Formação: Cursos Bacharelados e Licenciaturas;
Projeto: NAP - Núcleo de Atendimento Psicopedagógico da FID;
Diretor Geral e Acadêmico: Geraldo Magela Alves Fernandes;
Coordenação: I.S.E.;
Responsável: Prof. M.S Arthur Correa Militão


APRESENTAÇÃO


O trabalho relacionado com o nivelamento e colaboração do ritmo de aproveitamento no que diz respeito a aprendizagem e ao processo evolutivo como um todo, é hoje além de uma exigência do contexto educacional, um compromisso com a melhoria da demanda atendida e metas para melhores resultados tantos dos acadêmicos em curso como dos egressos no mercado de trabalho.
O presente projeto envolve os acadêmicos dos cursos de Bacharelados e Licenciaturas desta IES como futuros profissionais, zelando pelo desempenho pessoal e profissional, principalmente no que diz respeito aos problemas relacionados com as dificuldades de aprendizagem. Consiste em uma ação que contempla a iniciativa no que tange ao trabalho de superação e melhoramento do potencial acadêmico e profissional de educadores e futuros educadores de Diamantino e municípios atendidos por esta IES. O Projeto Núcleo de Atendimento Psicopedagógico (NAP) visa subsidiar sob forma de orientações, palestras, minicursos, oficinas desenvolvidas no decorrer das aula e nos eventos do programa da Instituição.
O núcleo de apoio é um serviço voltado ao atendimento do aluno de graduação e pós-graduação da FID no que diz respeito ao seu desenvolvimento da carreira e sua adaptação enquanto aprendiz e futuro profissional. O Projeto acolhe alunos que queiram refletir sobre sua escolha profissional ou planejar a carreira, alunos com dificuldades relacionadas à escolha da profissão; adaptação ao curso ou com outras dificuldades que estejam interferindo na integração e no desempenho acadêmico.
Nessa mesma direção, o N.A.P oferece basicamente três tipos de serviços: atendimento individual a alunos, oficinas e palestras com temas específicos e assessoria aos coordenadores e professores desta IES no desenvolver dos projetos interdisciplinares acadêmicos. As oficinas são atividades coletivas de curta duração com um foco ou tema específico relacionado ao desenvolvimento de carreira ou adaptação à faculdade. São realizadas durante os eventos da instituição e nas aulas do professor responsável pelo NAP.


JUSTIFICATIVA:
O ensino superior traz ao estudante um novo espaço de vivência psicossocial. Esse indivíduo passa a se constituir como um universitário que já possui uma história pessoal e formas particulares de reagir e experimentar, o qual se depara a passa a se relacionar de maneira mais ampla com o ambiente social. Esse processo novo de conhecimento e de identificações poderá ser vivido de forma construtiva ou conflitiva, o que exigirá mudanças que, talvez resultem em crises, que por sua vez, implicarão numa série de reformulações cognitivas e comportamentais. É justamente nesse momento que se faz oportuna a intervenção psicopedagógica preventiva a fim de facilitar tal processo, ampliando a percepção e a possibilidade de adaptação do indivíduo a esta nova etapa. Diante dos aspectos mencionados acima, o Núcleo de Atendimento Psicopedagógico – NAP oferece aos alunos a oportunidade de discutir tais questões determinadas pelo momento de vida em que se encontram.

OBJETIVOS
O NAP tem como objetivo geral prestar atendimento aos alunos, em caráter preventivo, informativo e de orientação individual e/ou grupal.
O Núcleo de Atendimento Psicopedagógico – NAP tem como objetivos específicos:
•Contribuir para o desenvolvimento e adaptação acadêmica do aluno, visando a utilização mais eficiente de recursos intelectuais, psíquicos e relacionais, numa visão integrada de aspectos emocionais e pedagógicos.
•Fornecer subsídios que facilitem a integração do aluno ao contexto universitário.
•Realizar orientação do aluno, discriminando sua problemática.
•Coletar dados relativos à problemática pelo aluno, identificando sua (s) área (s) de maior (es) dificuldade (s).
•Realizar atendimento emergencial e informativo quanto à dificuldade de cada aluno envolvendo a escuta da situação problema, a identificação da (s) área (s) de dificuldade (s) profissional, pedagógica, afetivo-relacional e/ou o fornecimento de informações objetivas que o orientem, minimizando a ansiedade presente.
•Fazer encaminhamento para profissionais e serviços especializados, se necessário.
•Assistir o aluno no processo de adaptação acadêmica através de oficinas de apoio pedagógico. •Assessorar os coordenadores nos planejamentos interdisciplinares; •Participar das reuniões de colegiado dos cursos;


FUNÇÕES
O Núcleo de Atendimento Psicopedagógico – NAP - tem as seguintes funções, tendo em vista os objetivos propostos:
Esclarecer ao aluno sobre as funções e objetivos do NAP, especialmente no que se refere ao atendimento individual que, em nenhum momento deve ser compreendido como um processo terapêutico de qualquer natureza.
Acolher o aluno e aceitá-lo sem tecer críticas ou julgamentos.
Realizar a escuta da situação problema nos atendimentos individuais.
Tentar compreender a situação em que se encontra o aluno de maneira objetiva e clara, focalizando-se exclusivamente nesse impasse.
Solicitar esclarecimento de pontos obscuros presentes na exposição da situação pelo aluno.
Fornecer orientação ao aluno quanto aos seus conflitos e/ou quanto à necessidade de busca de um serviço de
atendimento psicológico, sem partir dói pressuposto de que esse aluno necessariamente precisa de um atendimento desse tipo.
Classificar a situação problema entre uma das seguintes categorias existentes na ficha de atendimento individual de alunos.
Orientação e hábitos de estudo.
Orientação de carreira e aconselhamento profissional.
Encaminhamento para avaliação e/ou acompanhamento psicopedagógico.
Atendimento emergencial e/ou triagem.
Encaminhamento para avaliação e/ou atendimento psicológico.
Encaminhamento para avaliação social e/ou para serviços sociais.
Encaminhamento para oficinas temáticas, workshops ou outros.
Encaminhamento à coordenação do curso.
Outros.
Informar para o aluno atendido e outros membros da comunidade universitária,quando necessário, a importância dessas orientações estarem sempre voltadas para uma efetiva adaptação do aluno à IES. Portanto, o profissional responsável pelo atendimento no NAP tem a tarefa de acolher o aluno e encaminhá-lo aos setores competentes que os auxiliem a caminhar em direção à busca de
soluções para sua problemática. Não compete, entretanto, a esse profissional proporcionar a solução do problema trazido pelo aluno, até porque o atendimento não tem o caráter de terapia de qualquer tipo.


IV. METODOLOGIA:


4.1 – ATENDIMENTO INDIVIDUAL
Na modalidade individual os atendimentos são realizados usualmente uma vez por semana, com cerca de 30 minutos de duração cada. O número de encontros necessários em cada caso depende de uma avaliação específica da demanda.
As inscrições para esse tipo de atendimento podem ser feitas na secretaria ou simplesmente submetendo por e-mail a ficha de inscrição que constará na Secretaria Acadêmica desta IES . O atendimento individual não tem custo algum aos estudantes.


QUESTÕES ÉTICAS ENVOLVIDAS NOS ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS E LIMITES DE ATUAÇÃO DO NAP
Os professores que fazem parte da equipe do NAP devem, permanentemente, estar atentos às questões éticas envolvidas nos atendimento individuais e aos limites de atuação do NAP.
Assim, cabe relembrar alguns pontos importantes:
Guardar sigilo absoluto da identidade e dos problemas do aluno atendido.
Realizar atendimento do aluno somente e estritamente dentro da Instituição.
O professor que realiza os atendimentos individuais do NAP deve assumir o compromisso de não se envolver em discussões sobre queixas sobre a postura de seus colegas (professores), dos coordenadores de curso e qualquer membro do curso, seja no âmbito pessoal ou pedagógico. Em outras palavras, quando a situação problema trazida fizer referências à dificuldades de natureza pedagógica (tais como: relacionamento com professor, avaliação, reprovação,etc.), o aluno será orientado a resolver a questão diretamente com o professor e/ou com o coordenador do curso.
Deve-se ter sempre em mente a questão ética envolvida nesse tipo de interferência, o que poderia acarretar um confronto direto entre os membros do NAP e a equipe administrativo-pedagógica de cada curso. A tarefa dos membros do NAP deve limitar-se, nesses casos, à escuta da situação problema, sem emissão de opiniões favoráveis ou contrárias, e encaminhar os alunos às autoridades competentes para receber tais situações problemas, como por exemplo, o professor e/ou coordenador do curso.

De forma análoga, quando a situação problema do aluno referir-se a problemas administrativo e/ou financeiro,devese orientá-lo a buscar a solução nos órgãos competentes da instituição, sem emitir opiniões contrárias ou favoráveis.
PERFIL DO PROFISSIONAL QUE VAI REALIZAR OS ATENDIMENTOSNO NAP
Estar comprometido com o processo pedagógico e psicossocial da IES e dos alunos, bem como os objetivos e atividades exigidas no NAP. Ser capaz de manter o sigilo sobre a identidade e problema do aluno atendido.
Ser capaz de manter um diálogo aberto com seus alunos, sendo um professor em quem os alunos confiam.
Ter disponibilidade de horários para atendimentos dos alunos, sendo exigência ser contratado na IES.
Ter disponibilidade de horários e motivação para participar de eventuais reuniões com a equipe da IES, para que se possa melhorar o programa no decorrer do tempo.
Ter claro os objetivos do NAP, bem como os limites de sua atuação frente às situações problema trazidas pelos alunos do NAP.
OFICINAS TEMÁTICAS E WORKSHOPS
As oficinas são atividades coletivas de curta duração com um foco ou tema específico relacionado ao desenvolvimento de carreira ou adaptação. Em geral duram apenas algumas horas, concentradas em um único dia ou divididas em dois dias.
As oficinas são oferecidas com periodicidade variável, em dias e horários específicos, divulgados em murais e no site da FID. Usualmente é necessária inscrição prévia, pois as vagas são limitadas.
Algumas oficinas que podem ser oferecidas pelo NAP são as seguintes: Elaboração de trabalhos acadêmicos; Redação científica; Métodos de estudos; Técnicas de aprendizagem; Técnicas de memorização e de audiência;
Trata-se de atividades conduzidas em pequenos grupos, com caráter informativo, preventivo e/ou orientações direcionadas a temáticas que contribuem para o desenvolvimento e adaptação acadêmica do aluno e utilização mais eficiente de seus recursos intelectuais, psíquicos, relacionais e/ou sociais. As atividades planejadas são:

Planejamento do funcionamento operacional das oficinas (estabelecendo datas, horários, números de encontro, número de participantes por grupos, metodologia, cronograma, confecção de material de apoio, avaliação e bibliografia).
PALESTRAS
São planejados ciclos de palestras oferecidas aos alunos com o objetivo de informá-los sobre diversos assuntos, de modo a ter um programa de prevenção relativo a possíveis problemas que enfrentem ou possam vir a enfrentar em sua vida acadêmica e/ou profissional.
PROJETO CULTURAL.
São atividades e eventos de caráter cultural, que visam a integração entre o corpo discente, docente e funcionários. Estas atividades incluem movimentos de manifestação artística que englobam pintura, escultura, fotografia, dança teatro, música, etc.


METAS DE ORIENTAÇÃO.
As orientações de caráter preventivo como as relacionadas a superação das dificuldades de aprendizagem serão detectadas nas diferentes etapas dos estágios e no decorrer do curso como um todo. Tais orientações serão atendidas na sala 01, Bloco E ou durante as aulas do professor responsável pelo NAP da FID – Faculdades Integradas de Diamantino – MT.

BIBLIOGRAFIA BÀSICA
ABERASTURY, Arminda, KNOBEL, Maurício. Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artmed, 1981.
ANDOLFI, M. et all. Por trás da máscara familiar. Artes Médicas, Porto Alegre, 1989.
ANDRADE, Márcia Siqueira (Org.). O prazer da autoria: a Psicopedagogia e a construção do sujeito autor. São Paulo: Mennon, 2002.
CARTER, B. As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
FERNÁNDEZ, Alícia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
GOLBERT, Clarissa S. A evolução psicolingüística e suas implicações na alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.
HALEY, J. Psicoterapia familiar, um enfoque centrado no problema. Interlivros, Belo Horizonte, 1979.
MINUCHIN, S. Famílias, funcionamento e tratamento. Artes Médicas, Porto Alegre, 1988.
OLIVEIRA, Vera Barros de, BOSSA, Nádia Aparecida. Avaliação Psicopedagógica do adolescente. Petrópolis: Vozes, 1998.
_____.Avaliação psicopedagógica da criança de sete a onze anos. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.
_____.Avaliação Psicopedagógica da criança de zero a seis anos. Rio de janeiro: Vozes, 1994. OSÓRIO,C. L. Família Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
_____.Psicologia grupal: uma nova disciplina para o advento de uma era. Porto Alegre: Artmed, 2003. OSÓRIO,Luiz Carlos e Maria E.P. do Valle. Terapias de famílias: novas tendências. Porto Alegre: Artmed, 2002.
PAÍN, Sara.Subjetividade Objetividade. São Paulo: CEVEC, 1996. ________.A função da ignorância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
PEGO, Márcia Goulart T. A representação simbólica na clínica psicopedagógica. São Paulo: Vetor, 2003.
POLITY, E. (org.) Psicopedagogia: Um enfoque sistêmico. São Paulo: empório do livro, 1998.
POLITY, Elizabeth (org). Terapia familiar nas dificuldades de aprendizagem. São Paulo: Empório do livro, 1998.
RAPPAPORT, Clara Regina (Coord.). Adolescência: abordagem psicanalítica. São Paulo: EPU, 1993.
RIVIÉRE – P. H. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
SOUZA, A. Pensando a Inibição Intelectual. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.
WADSWORTH, B. J. Inteligência e afetividade da criança na teoria de Piaget. São Paulo: Pioneira, 1995.
WINNICOTT, D. W. O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar